MARCO REGULATÓRIO DAS GUARDAS MUNICIPAIS – II

07:00 GmNoticias Brasil 1 Comentarios


Autor: Prof. João Alexandre Santos


PRIMEIRA PARTE – INTRODUÇÃO 

“O QUE DE FATO PRECISA SER REGULADO PARA QUE AS GUARDAS MUNICIPAIS CONSIGAM ALCANÇAR SUA INDEPENDÊNCIA INSTITUCIONAL?.” 

É inegável que as legislações referentes aos assuntos ligados à segurança pública são por demais esparsas. Apenas aqueles que se debruçam sobre o tema, como é o seu caso estudioso leitor, é que conseguirão através de um processo reflexivo e de acurada hermenêutica e exegese fazer as devidas conexões que conduzam a uma interpretação lógica, razoável e possivelmente aplicável ao caso concreto. Se analisarmos friamente a letra da lei, verificaremos que já decorridos 24 anos da promulgação de nossa Carta Magna, somente o conhecido e já, em partesultrapassado art. 144 da CF/88 é que indica a fórmula jurídica e aponta os caminhos para transformar o esqueleto normativo constitucional e os citados órgãos de segurança pública, naquilo que a sociedade precisa urgentemente ver em prática. Precisa-se urgentemente da conclusão do projeto do legislador constituinte, ou seja, juntar os órgãos, verificar as suas conectividades e fazê-los trabalhar de forma harmônica e interdependente.
Assim sendo, podemos dizer que temos de fato e de direito um corpo nessa história. Órgãos sozinhos não formam um corpo. Precisamos sim da existência desse corpo ou sistema[1].

O legislador constituinte conseguiu prever que só nominar os órgãos de segurança pública, não traria a necessária eficiência à complexa arquitetura do sistema de segurança pública por ele projetado. Por isso, deixou explicita uma ordem de serviço escrita para que o legislador infra constitucional, legislasse objetivamente sobre as questões pertinentes à organização e ao funcionamento dos citados órgão. Essa ordem, materializada no texto do §7º do citado artigo, até hoje carece de aprofundamentos e construção jurídica sistêmica, visando dar aos órgãos da segurança pública a devida eficiência.

Prova de que não há um sistema pensado, foram as dificuldades surgidas para as Guardas Municipais com o sistema INFOSEG e o próprio Estatuto do Desarmamento, que se arrastam até hoje, o qual será objeto de outro artigo. Muitas das instituições municipais de segurança, mesmo após o convênio assinado, possibilitando o acesso à senha, esbarraram em critérios menores de interpretações e inclusive em ações discricionários de certas autoridades. Particularmente no Estado de São Paulo, se não fosse pela pró-atividade do atual Comandante da GCM de Embu Guaçu Eduardo Leite Barbosa e do dedicado Delegado de Polícia Dr. Heleno Dell Oso Prado, do DIPOL da Polícia Civil de São Paulo, a coisa estaria parada. Apenas a edição da Portaria DIPOL nº 01 de 16/06/2011, proporcionou de maneira mais facilitada o acesso para obtenção da necessária senha para operar esse valioso programa. Graças a esse servidor, comprometido não consigo, mas com o sistema, é que o Comandante Eduardo pode conduzir os demais Comandante de cidades, como Osasco, Santana de Parnaíba, Itapeví e demais, para que adotasse as cautelas de estilo para obtenção das senhas e passassem a operar o sistema INFOSEG. Como podemos falar em sistema, se não passarmos por questões simples como conectividade de dados, informações e ações?

Nessa esteira e assim pensando, já temos então o esqueleto, os órgãos, o cérebro (hoje representado pela SENASP), falta agora a vital e necessária harmonia política, administrativa e operacional dos órgãos previstos no art. 144 para que a coisa aconteça de fato. Cumpre observar, que as Guardas Municipais, já fazem parte do dito sistema, pois já foram previstas pelo legislador no §8º. Ocorre que o vírus do corporativismo, da reserva de mercado em segurança pública, do descaso do Congresso e das Câmaras Municipais com os assuntos ligados à pasta, pelo estelionato legislativo que são as malfadadas PECs, pelo abandono nacional representativo em que se encontram e pelainversão de prioridades esse corpo que possui todas as possibilidades de ser atlético, robusto e eficiente, está ficou tetraplégico, dependente de remédios caros e vive se arrastando às custas de favores de um ou de outro para superar pequenos obstáculos. De gigante a deficiente, de atlético a paralitico. Essa é a gestão dos assuntos de segurança pública de nosso País. Evidentemente volto a frisar que alguns avanços se fizeram presentes de 10 anos para cá. Mas pelo que vejo agora, a centralização desmedida, a liberação de verbas por critérios políticos e não somente técnicos, o crescente contingenciamento e a hipocrisia dominante, novamente tiram o carro da segurança pública da faixa expressa, empurram-no para a faixa da direita, onde de 5ª marcha, volta a andar em 2ª.
Essa introdução foi apenas para mostrar-lhe, que apesar das dificuldades jurídicas, os demais órgãos, estão se saindo bem. As polícias federais e estaduais de alguma forma possuem um modelo representativo (associações, sindicatos, federações e conselhos) que são eficientes, eficazes e que sabem defender os interesses políticos e legais de suas categorias, lá onde a coisa deve ser gestada (Brasília). Fato que ainda não é uma marca no seguimento de Guardas Municipais[2] em razão da própria vaidade de algumas lideranças que mais buscam para si do que para a categoria. O que de fato uma regulamentação para as Guardas Municipais deve se preocupar em apresentar e defender? Quais são as prioridades e sofrimentos desses valorosos profissionais, abandonados à própria sorte desde 1988? O que de fato eles precisam enquanto pessoas humanas que são? E o que a instituição Guarda Municipal (Pessoa Jurídica de Direito Público) precisa para se estruturar nesse sistema de segurança pública?

Uma coisa digo-lhes prezados leitores, isso baseado não só na teoria do estudo acadêmico, mas no fato de já ter percorrido alguns Estados-membros de nossa Federação e conversado com lideranças realmente comprometidas e com a base. Não é preocupação do seguimento a cor que será seu uniforme, o modelo de suas divisas, a quantidade mínima de seu efetivo ou se virá a fazer segurança urbana, policiamento de posturas ou ainda colaborar supletivamente na segurança pública. Preocupados estão, com processos de valorização profissional, que se limitou a ficar no papel com a publicação da Portaria Interministerial nº 1; que bem poderia ser amarrada aos requisitos a ser preenchidos quando da intenção de obtenção por parte do município, recursos federais para a segurança e ainda não foram.  Preocupados estão, com um rol de direitos mínimos que consiga fazer com que a jornada profissional ao longo de sua trajetória seja motivadora e garanta minimamente uma carreira.

Então, apenas para reflexão, enumerarei aqui o que o cérebro (SENASP) poderia incorporar as propostas de um marco regulatório, que caso venha a ser aprovado, em muito ajudará, tanto ao servidor público guarda municipal como garantirá a solidez jurídica e institucional que o órgão Guarda Municipal precisará para contribuir para o bom e harmônico funcionamento do sistema de proteção da sociedade Obviamente que as reflexões aqui trazidas são de cunho pessoal estão sujeitas às críticas de nossos alunos, amigos e demais profissionais. No próximo artigo detalharemos os quesitos complementares. 

[1] Para efeito desse artigo, usarei a palavra corpo como sinônimo de sistema.
[2] Evidentemente não é uma fala genérica, há casos de excelência localizadas como presenciei no Estado da Bahia, Rio de Janeiro, Maranhão e Paraná entre outros, cujo processo baseado no esforço da liderança local, mesmo após perseguições políticas e corporativas tem trazido conquistas louváveis, a mas que poderiam ter sido amortecidas por uma regulamentação que poupasse esse embate regional tão desnecessário.   

PROF. JOÃO ALEXANDRE – Professor, Pesquisador e Especialista em Políticas Públicas de Segurança, Direitos Humanos e Ciências Policiais. Coordenador Acadêmico do Centro de Estudos em Segurança Pública e Direitos Humanos – CESDH. Coordenador Geral do Fórum Permanente de Segurança Pública do Estado de São Paulo (FPSP/MAS/NCST-SP). Coordenador de Projetos do Centro de Estudos Avançado em Problemas Sociais  (CEAPS-SP). Membro Associado ao Instituto Brasileiro de Ciências Criminais - (IBCCRIM). Membro da Associação Internacional de Polícia (IPA/SP). Coordenador Acadêmico da Escola de Formação de Comandantes de Guardas Municipais e Gestores de Segurança Pública Municipal do CESDH/SP. Diretor Adjunto de Assuntos de Segurança Pública e Direitos Humanos do Escritório Pereira Leutério Advogados Associados. E-mail:  professor.joaoalexandre@hotmail.com

Texto enviado pelo Prof. João Alexandre Santos

Postagens Relacionadas

Um comentário:

  1. There will be a lengthier pause in between coding sequences.
    Many others, nevertheless, count on their car or truck ought to extra substantially.


    Look at my site ... free obd2 scan tool software

    ResponderExcluir

Anterior Página inicial Proxima
Tecnologia do Blogger.